Prémio GPA – REN Biodiversidade e Florestas

Na 11ª edição do GPA, a REN vai atribuir o Prémio GPA-REN Biodiversidade e Florestas. O GPA falou com a REN sobre este prémio.

PORQUÊ A ATRIBUIÇÃO DO PRÉMIO REN BIODIVERSIDADE E FLORESTAS?

REN: O prémio surge no seguimento do trabalho desenvolvido pela REN na proteção da floresta portuguesa e no âmbito da sua estratégia de sustentabilidade, em que a empresa assume o compromisso de ser um agente ativo na proteção ambiental, implementando políticas de reflorestação, fomentando a educação ambiental, defendendo a utilização racional dos recursos naturais e a prevenção da poluição, apoiando o desenvolvimento das energias renováveis e desempenhando um papel ativo na prevenção das alterações climáticas. Este prémio dá continuidade a esta estratégia, incentivando e promovendo a inovação e o desenvolvimento de melhores praticas na proteção da floresta e da biodiversidade.

QUAIS OS CRITÉRIOS PARA A ATRIBUIÇÃO DO PRÉMIO? QUE MENSAGEM PARA OS CANDIDATOS AO PRÉMIO REN?  

REN: O projeto vencedor terá que aliar vários critérios ligados ao seu caráter inovador de preservação e promoção da biodiversidade. Os candidatos devem ter em conta o impacto do projeto nos três pilares da sustentabilidade (ambiental, económico e social) e a sua repercussão no comportamento e atitude dos cidadãos, a nível formativo e da sensibilização para técnicas biológicas sustentáveis de produção agrícola. Os benefícios gerados e os custos associados, os resultados obtidos, a sua escalabilidade e a promoção de espécies autóctones são também fatores críticos para a atribuição deste prémio. 

QUAIS OS DESAFIOS DA REN NA ÁREA DA BIODIVERSIDADE PARA 2018?  

REN: Em 2018, vamos continuar a apoiar e promover iniciativas de conservação da natureza,  com o envolvimento das autarquias, escolas, colaboradores, fornecedores e prestadores de serviços. Serão essencialmente ações de caráter pedagógico destinadas a crianças e jovens, como é o caso do “Heróis de Toda a Espécie” desenvolvido em parceria com o Ministério da Educação e Ministério do Ambiente, e das ações de reflorestação que promovemos nas comunidades locais. Vamos manter o envolvimento com a investigação aplicada, através da Cátedra REN em Biodiversidade com a Universidade do Porto e com a Fundação Ciência e Tecnologia (FCT), cujo objetivo é a monitorização, compensação da atividade, a ecologia populacional e a promoção da cidadania na ciência e a participação em projetos LIFE, como o Life Elia que vai produzir um manual de referência sobre gestão de vegetação nas faixas de proteção das linhas elétricas, e o LIFE Lines, uma parceria com a Universidade de Évora  para o estudo e conservação  de comunidades de animais debaixo dos postes das linhas de transporte de energia. Vamos ainda continuar a promover o debate e partilha de melhores práticas em torno da segurança e prevenção dos fogos florestais.