Portugueses mais preocupados com ambiente

Primeira Conferência Green Project Awards (GPA) 2018, realizada em parceria com a DECO e o Forum do Consumo, apresenta conclusões do 3º Estudo do Observatório do Consumo Consciente que mostra, entre outras conclusões, que os portugueses estão mais conscientes para a problemática ambiental, mas com pouca predisposição para pagar taxas ambientais ou para participarem socialmente numa mudança.

De acordo com o 3º Estudo do Observatório do Consumo Consciente e com o Índice Nacional do Consumo Consciente (INCC), os portugueses estão mais preocupados com o ambiente, mas sem mostrarem muitas mudanças ao nível comportamental.

Esta e outras conclusões foram apresentadas na primeira conferência do Ciclo de Conferências Green Project Awards (GPA) 2018, realizada em parceria com a DECO e em conjunto com o Fórum do Consumo, a Universidade Lusófona, o IADE-Universidade Europeia e a GfK, que decorreu esta manhã no Auditório Agostinho da Silva da Universidade Lusófona, em Lisboa.

Os resultados do 3º Estudo do Observatório do Consumo Consciente e do Índice Nacional do Consumo Consciente (2015 – 2017), apresentado pela primeira vez, mostram que os portugueses estão mais preocupados com o ambiente (69% relativamente aos 66% dos dois anos anteriores), mas pouco dispostos a pagar taxas ambientais e com pouca participação social. Ainda, usam pouco os transportes públicos nas deslocações diárias, aumentou a compra de automóveis, mas aumentaram também as boleias. 29% dos portugueses compram alimentos biológicos e 74% compram alimentos produzidos em Portugal. Quanto aos equipamentos eletrónicos, preferem repará-los em vez de comprar novos. Em 2017, 64% dos portugueses compram equipamentos eficientes, comparativamente aos 59% no ano anterior. O consumo de água engarrafada diminuiu, passando de 37% em 2015 para 32% em 2017, e os comportamentos de reciclagem mantêm-se inalterados.

Em suma, o INCC mostra uma ligeira recuperação do consumo consciente dos portugueses em 2017, que reconhecem a necessidade de redução e de mudança de comportamentos e de estilo de consumo, mas que ainda não adotaram um estilo de vida sustentável de forma generalizada. O Índice foi efetuado com base em indicadores obtidos por um inquérito realizado a uma amostra representativa da população portuguesa continental (1257 indivíduos), sendo possível avaliar o nível de atitudes ambientais e o nível de comportamento sustentável dos portugueses.

De acordo com José António Rousseau, Presidente do Forum do Consumo, “uma vez que não temos recursos infinitos, sabemos que precisamos de consumir de forma consciente. O consumo consciente devia ser um mantra do dia-a-dia: em casa, nas escolas e nas empresas”. Já Jorge Cancela, Diretor da Deco, afirma que “é preciso consciencializar o consumidor de que o preço não é só moeda, é também um conjunto de consequências que a compra de determinados produtos acarreta”.

Esta foi a primeira conferência do Ciclo de Conferências do Green Project Awards, com o objetivo de promover o debate e aproximar os diferentes agentes económicos que atuam e estabelecem relações comerciais na área do consumo.

 

Consulte os resultados e as conclusões do mesmo, aqui.