Filipe Duarte Santos: “É preciso reconhecer e proteger essa riqueza natural e ambiental”

 Filipe Duarte Santos, distinguido com o Prémio Especial Carreira pela Sustentabilidade no GPA´17, considera que, neste momento, Portugal precisa de ” reconhecer e proteger a riqueza natural e ambiental. Proteger a biodiversidade, enfrentar o desafio dos fogos florestais e promover a adaptação às alterações climáticas”. Nesta entrevista dada ao Expresso, o Presidente do Conselho Nacional de Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, realça a importa de algumas medidas. 

 Criado há 20 anos, o Conselho Nacional de Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (CNADS) passou por nove Governos. Enfrentou barreiras de algum destes Governos?

Não, mas ao longo destes anos foi necessário ter em atenção a política desses sucessivos Governos e adaptar a atividade do Conselho de forma a ser útil. A criação do CNADS aconteceu no Governo de António Guterres, que hoje como secretário-geral da ONU, participa nesta conferência por vídeo, e muito se deveu ao empenho do professor Mário Ruivo que colocou o CNADS na rede europeia de conselhos de Ambiente, sendo hoje um dos conselhos com maior longevidade.

Quais são os desafios do CNADS para o futuro?
Tem desafios à escala nacional, europeia e mundial já que o ambiente e o desenvolvimento sustentável são condicionados à escala global. Temos desafios em várias frentes, como a perda de biodiversidade, a exploração de recursos naturais ou as alterações climáticas.

Em relação à exploração de recursos naturais, o que pensa sobre o projeto de pesquisa e exploração de petróleo ao largo de Aljezur?
Não vejo necessidade de o país fazer furos para procurar petróleo. Ao fazê-lo estamos a dar um sinal incoerente com o objetivo estabelecido pelo Primeiro Ministro, António Costa, de Portugal ser neutro em carbono em 2050.

Entre as palavras políticas e as ações há uma grande diferença?
Se existir petróleo não vão deixar de explorá-lo e isso não é coerente com os compromissos de Portugal. Para controlarmos as alterações climáticas temos de deixar no subsolo cerca de 70% dos combustíveis fósseis que se estima existirem. Só assim cumpriremos o Acordo de Paris.

Como caracteriza o estado do ambiente em Portugal e os desafios que o país tem pela frente?
Comparando com outros países da Europa, ainda temos um ambiente pouco estragado, o que resulta do facto de não sermos dos mais desenvolvidos. Mas é preciso reconhecer e proteger essa riqueza natural e ambiental. Temos de proteger a nossa biodiversidade, enfrentar o desafio dos fogos florestais e promover a adaptação às alterações climáticas.

Defende uma transição energética da economia para mitigar as emissões de gases de efeito de estufa e atenuar as alterações climáticas?
Sim. Alguns empresários veem o ambiente como um obstáculo ao desenvolvimento, mas esta visão economicista acaba por ser prejudicial para o país. Temos de ter a visão de que a sobrexploração de recursos, a destruição da biodiversidade e as alterações climáticas vão prejudicar o crescimento económico e colocam-nos num beco sem saída. É importante que as pessoas percebam que é possível compatibilizar a defesa ambiental com o desenvolvimento económico.

FONTE: EXPRESSO