Cientistas portugueses descobrem fungo de come microplásticos

Uma equipa de cientistas da Universidade de Aveiro (UA) descobriu um fungo que degrada o polietileno contido nos sacos plásticos. Esta descoberta poderá permitir eliminar mais de 10 milhões de toneladas de plástico que poluem os oceanos.

O fungo Zalerion maritimum, localizado na costa portuguesa, gosta particularmente de madeira e microplásticos e pode ser a solução para erradicar parte da poluição oceânica derivada dos plásticos.

A descoberta deste fungo, através de um ensaio experimental, esteve a cargo da equipa de investigação da Universidade de Aveiro. Neste ensaio, os investigadores utilizaram água do mar sintética e introduziram fungos, juntamente com algumas quantidades de alimento.

Os fungos optaram por se alimentar das partículas poluentes em vez de outras. À medida que  a quantidade de fungos aumentava, os plásticos diminuíam progressivamente. Estes indicadores foram testados a uma escala maior, na estação de tratamento de Aveiro, e os resultados comprovaram a sua eficiência.

Conscientes de que as ações em curso não são suficientes no combate à poluição oceânica, esta equipa de investigadores enquadrou a produção de Zalerion maritimum no conceito e estratégia de biorremediação, que se traduz na utilização de microrganismos vivos com vista a degradar o plástico.

Desenvolvido no âmbito da disciplina de projeto do terceiro ano da licenciatura em Biotecnologia da UA, a investigação resulta do trabalho de Ana Paço, João Costa, Armando Duarte, Cátia Duarte, Patrícia Santos, Maria Eduarda Pereira, Ana Cristina Freitas, Rute Pereira, Ana Bastos e Ana Silva, em parceria com as universidades do Porto e Católica Portuguesa.